Carregando...

Para agendar uma consulta para o tratamento de interesse, preencha os campos abaixo com seus dados e aguarde o contato e a confirmação da data.

O herpes vírus ( HSV) é formado por dois tipos de vírus, os HSV1 e HSV2 são muito semelhantes, mas apresentam algumas diferenças significativas. O HSV1 tem características que o levam a ser particularmente infeccioso e virulento para as células da mucosa oral. O HSV2 tem características de maior virulência e infecciosidade para a mucosa genital. No entanto, o HSV1 também pode causar herpes genital e o HSV2, herpes bucal.

São muito frequentes, especialmente em países pobres. Aproximadamente 90% das pessoas têm anticorpos contra o HSV1, ainda que possam não ter tido sintomas. Um quinto dos adultos terá herpes genital, incluindo a Europa e os EUA.
O herpes oral, particularmente se causado por HSV1, é uma doença primariamente da infância, transmitida pelo contato direto e pela saliva. O herpes genital é transmitido pela via sexual.

Após infecção da mucosa, o vírus multiplica-se produzindo manchas vermelhas inflamatórias e vesículas (bolhas) dolorosas. Elas desaparecem e reaparecem sem deixar quaisquer marcas ou cicatrizes.
 
Não há vacina nem tratamento definitivo, apesar de alguns fármacos especialmente acicloguanosinas como o aciclovir. É possível reduzir a transmissão evitando o contato direto com outros ou com objetos usados por outros (copos, bocais de instrumentos de sopro) quando a herpes labial está ativa, e abstinência sexual quando a região afetada pela herpes genital não está com aparência saudável normal. E o ideal é a prevenção com substâncias que melhorem a imunidade, como vitamina c , e em alguns casos uso de aciclovir profilático.

Tudo indica que sim. Novas observações imunológicas e bioquímicas vêm juntar-se às suspeitas, que já existiam, de que os cabelos estão em parte submetidos a influências da mente. A alopecia areata, também chamada pelada, doença que se caracteriza pela perda de cabelos em áreas circulares, que pode evoluir para a totalidade dos cabelos e pelos. O desenvolvimento das pesquisas científicas vem mostrando, cada vez mais, que essa possibilidade de relação com o estresse é real.

Em trabalho publicado na revista Autoimmunity Reviews, Faculdade de Medicina Technion, de Israel, afirma-se que, nas biópsias, o aspecto mais característico da alopecia areata é a infiltração de células imunitárias em torno e dentro dos folículos pilosos. 

Além disso, agentes imunossupressores, como corticosteróides e ciclosporina, e tratamentos com imunoterapia são efeitos benéficos em muitos casos. Isso indicaria um componente de auto-agressão contra o folículo piloso. 

É bastante claro o fato de que traumas e situações de vida interpretadas como estressantes dão início a inúmeros quadros clínicos e certamente agravam qualquer condição patológica. Esses estados psicológicos são mediados por substâncias químicas que são liberados pelas terminações nervosas ou transportados pelos vasos sanguíneos.

Estas substâncias fazem a ligação entre o sistema nervoso central, ativado pela mente, e a pele e sabe-se que há variações dessas substâncias na pele a cada mudança de estado mental, que podem gerar imunossupressão e reações imunitárias na pele.

A alteração das relações entre os mediadores químicos e as células cutâneas modifica o equilíbrio da pele e dá origem a inflamação e dermatoses, entre elas, a alopecia areata. 
Torna-se, pois, cada vez mais forte o entendimento de que o estresse pode, em certas pessoas, por ação da mente, através da conexão química entre o cérebro e o folículo piloso, desencadear o quadro da alopecia areata. Uma vez instalada, a doença torna-se responsável por profundas alterações emocionais e leva sempre a mais estresse, ansiedade e depressão, que funcionam como agravantes do estado clínico.
Um nódulo mamário tem diferentes significados dependendo da idade e do sexo de seu portador. Uma vez que alguns nódulos e algumas alterações são considerados normais, o entendimento da estrutura e o funcionamento da mama podem ajudar a eliminar algumas preocupações.

Qualquer doença mamária pode manifestar-se como uma lesão nodular, ou seja, um nódulo palpável na mama pode ser um câncer ou simplesmente uma área de tecido mamário normal mais densa. A maioria dos nódulos palpáveis são benignos (80-85% em mulheres com menos de 30 anos). Mesmo assim devem ser investigados, toda vez que a avaliação radiológica/clínica sugerir. A grande maioria das mulheres possui dúvida ao palpar as mamas todo o mês, pois percebe que o tecido mamário é cheio de “nódulos”. Na verdade, o parênquima mamário é formado por uma parte glandular-lobos/lóbulos mamários, e uma parte de gordura que ficam interpostas uma a outra.

Ao passar a mão sobre a mama é percebida essa diferença de textura, dando a sensação de ter muitos nódulos na mama. No entanto, se comparar a palpação de um nódulo real de mama, com a palpação dos lobos/lóbulos mamários, é possível perceber que o nódulo é mais endurecido, e a delimitação com o restante da mama é mais fácil, pois pode ser percebido 3 dimensões da lesão, enquanto que só é possível perceber 2 dimensões de área quando os lobos/lóbulos são palpáveis. Por isso é importante toda a mulher realizar o auto-exame mensal (7 a 10 dias depois da menstruação), pois assim irá conhecer cada detalhe de palpação do tecido mamário e assim que notar algo diferente com o que está acostumada poderá procurar o médico de uma forma bem precoce.
Eles podem aparecer em qualquer idade e existem muitos que são característicos da evolução normal da mama feminina menos de 30 anos). Mesmo assim devem ser investigados, toda vez que a avaliação radiológica/clínica sugerir. A grande maioria das mulheres possui dúvida ao palpar as mamas todo o mês, pois percebe que o tecido mamário é cheio de “nódulos”. Na verdade, o parênquima mamário é formado por uma parte glandular-lobos/lóbulos mamários, e uma parte de gordura que ficam interpostas uma a outra.

Ao passar a mão sobre a mama é percebida essa diferença de textura, dando a sensação de ter muitos nódulos na mama. No entanto, se comparar a palpação de um nódulo real de mama, com a palpação dos lobos/lóbulos mamários, é possível perceber que o nódulo é mais endurecido, e a delimitação com o restante da mama é mais fácil, pois pode ser percebido 3 dimensões da lesão, enquanto que só é possível perceber 2 dimensões de área quando os lobos/lóbulos são palpáveis.

Por isso é importante toda a mulher realizar o auto-exame mensal (7 a 10 dias depois da menstruação), pois assim irá conhecer cada detalhe de palpação do tecido mamário e assim que notar algo diferente com o que está acostumada poderá procurar o médico de uma forma bem precoce.
Sim, a predisposição genética é muito importante, há realmente um aumento de chance de se ter nódulos mamários.
Cerca de apenas 15% dos nódulos identificados são realmente malignos, e tem diagnóstico de câncer de mama. Existem uma série de particularidades que fazem este nódulo ser mais ou menos suspeito para o câncer de mama, para esta diferenciação é muito importante a realização dos exames de imagem como a mamografia (a partir dos 35 anos, salvo exceções), associada com a ultrassonografia de mamas (que é obrigatória antes dos 35 anos), e em alguns casos a complementação com a ressonância magnética.
Caso exista dúvidas, deve-se realizar os seguintes exames: citológicos, ou seja, com uma agulha punciona-se no nódulo na tentativa de serem retiradas algumas células do mesmo e anátomo patológico (biópsia mamária - retitra-se uma porção do nódulo) que podem ser realizados, atualmente de forma eficaz, segura e pouco invasiva, com a mamotomia (sistema de aspiração da lesão a vácuo, feita com anestesia local) e core biopsy , ambos guiados por ultrassonografia ou mamografia, independente da lesão ser ou não palpável.

Os nódulos quando benignos, podem ser retirados se o tamanho exceder 3 cm e há incômodo e desejo da paciente em retirá-lo (com diagnóstico prévio de benignidade), é importante reforçar que é muito relevante a opinião da paciente.

E no caso de nódulos malignos, a depender do seu tamanho, localização, idade e desejo da paciente podem ser propostas diversas cirurgias, sendo um tratamento individualizado.

Para nódulos benignos sempre que possível a incisão é peri-areolar ou em locais o menos anti-estéticos possíveis ( peri-areolar, sulco mamário e axila).

No caso dos nódulos malignos, existem diversos tipos de cirurgia:

Quadrantectomia: retirada de uma parte da mama( cerca de 1/4)

Mastectomia : retirada de toda a glândula mamária

Em ambos os casos, o ideal é a reconstrução da mama no mesmo tempo com a ajuda do cirurgião plástico. 
Além disso é importante a pesquisa em casos pré detreminados da axila com técnicas que demarcam o linfonodo sentinela( gânglio considerado guardião da mama), que quando positivo (com acometimento tumoral exige a retirada dos restante dos linfonodos, e se negativo indica que a axila pode ser mantida).

Certamente. O ideal é de 6 em 6 meses. As doenças estão mais propícias a aparecerem após esta idade. O número de pessoas acometidas por câncer, alterações como hipertensão, diabetes, tireoide, e outras doenças aumentam com a idade e é fundamental termos este cuidado.

Os exames de rotina como sangue, urina, ultrassonografias, densitometria óssea (para prevenir e tratar a osteopenia e osteoporose), mamografia, exames cardiológicos, são fundamentais e devem ser realizados de forma cuidadosa e muitas vezes em intervalo de tempo menores, já que as alterações hormonais agregadas são os grandes vilões destas doenças.

O HPV (papiloma vírus humano) se estiver em sua forma ativa ( presença de lesões) pode ser transmitido durante a atividade sexual, se ele estiver presente em sua forma biomolecular na captura híbrida ele não é transmissível. O ideal é que independente do tipo de atividade sexual a camisinha ou condom seja usada. Uma forma de tornar a experiência mais agradável é o uso de camisinhas com sabor , que acaba dando um efeito lúdico á relação sexual.

Primeiramente, estar fisicamente atraente e ter uma boa auto estima são fundamentais para a manutenção do desejo sexual. Além disso do ponto de vista hormonal, é fundamental a checagem dos hormônios, e se for necessário realizar sua reposição, já que estas alterações podem baixar o libido.

A atividade física regular nos deixa mais dispostos para a atividade sexual, e com capacidade pulmonar e ventilatória adequada para o ato sexual, que exige um preparo físico do casal. Outra dica importante é conversar com o parceiro(a) sobre a atividade sexual e estar buscando novidades, que estimulem a relação e interação entre o casal.

Seria interessante que toda mulher antes de engravidar colhesse alguns exames de sangue, fezes e urina, para saber se existe alguma doença prévia a gestação que possa comprometer sua gravidez, ou que seja necessário algum cuidado especial antes.

A gravidez  é dividida em três trimestres, citarei os exames pelos trimestres em questão:

O primeiro trimestre corresponde ao período de embriogênese fetal (formação dos órgãos do feto), corresponde a fecundação até a décima segunda semana de gestação. E corresponde ao período no qual serão realizados os primeiros exames de rastreamento para mal formações fetais:

- Exames de sangue (hemograma, sorologias para hepatite B e C, HIV, pesquisa de sífilis, citomegalovirose, toxoplasmose, rubéola, agentes de trombofilia, função tireoidiana, tipagem sanguínea)
- Exame de urina
- Ultrassonografia morfológica de primeiro trimestre, ou translucência nucal, complementada ou não pelo rastreamento bioquímico( exame de sangue que ajuda a excluir a existência de mal formações fetais)

O segundo trimestre, vai da décima segunda a vigésima sexta semana de gravidez, e nele o feto começa a ter um aumento dos órgão, que são incapazes de funcionarem sozinhos.

- Repetição dos exames de sangue e urina
- Realização do ultrassom morfológico fetal de segundo trimestre
O terceiro trimestre vai da vigésima sexta ao final da gestação
- Exames de sangue, acrescidos de uma pesquisa mais profunda de diabetes gestacional, realização da curva glicêmica
- Seguimento com ultrassonografia morfológica fetal com doppler para mensuração do fluxo entre útero e palcenta
- Acompanhamento da vitalidade fetal com a realização da cardiotocografia basal( semanal a partir da trigésima sexta semana)

Diversas doenças, desde aquelas que independem da gestação como hipotireoidismo, presença de doença infecciosa não tratada ou mal tratada (hepatite Bou C, sífilis), até a verificação do aparecimento de uma nova doença, como o diabetes gestacional ou hipertensão da gestação.

Além disso, no caso de uma suspeita de alteração cromossômica no feto, existe a possibilidade de diagnóstico da doença, e até formas de preparar a família para recepcionar esta criança.

Todos estes exames, exceto o rastreamento bioquímico podem ser agendados na rede pública,  o importante é que a gestante faça um seguimento de pré natal cuidadoso, devendo ser mensal nos primeiros meses, evoluindo para quinzenal e depois semanal.

Os preços nos serviços privados são muito variáveis e dependem de cada laboratório.

Na verdade só deve ser evitado o uso de contraste, não existe contra indicação de qualquer exame de imagem. Eles são apenas evitados no primeiro trimestre, não existe contra indicação para realização de ultrassonografias.

Não existe limite para realização de ultrassonografias, mas existe um mínimo a ser realizado, que seria:

1) Uma ultrassonografia transvaginal para possível visualização do feto ou saco gestacional, com 6-7 semanas
2) Ultrassonografia morfológica de primeiro trimestre ou translucência nucal
3) Ultrassonografia morfológica de segundo trimestre, com medida do colo do útero para prevenção de trabalhos de parto prematuro. 
4) Uma ultrassonografia obstétrica com doppler para verificar o fluxo materno placentário, entre a vigésima oitava e trigésima segunda semana com possível estudo da morfologia cardíaca.

Nunca usar qualquer tipo de medicação sem orientação médica (principalmente anti inflamatórios e relaxantes musculares).

Realizar um seguimento pré natal adequado, observando sintomas como dores em baixo ventre, ardência ao urinar, sangramentos, interpretando isto como possível intercorrência e entrando em contato com o seu médico, ou no pronto socorro mais próximo para ser avaliada (preferencialmente um com ginecologia e obstetrícia).

Fora isto, apreciar cada momento da gestação, conversar com o bebê já que com 12 semanas, ele já tem capacidade de ouvir as vozes e reconhecê-las, criar um ambiente calmo. E além disso os futuros papais devem ajudar suas esposas a manter a forma com caminhadas, aulas de hidroginástica, aprender a realizar massagens e mantê-las confortadas durante este período tão importante para vocês.